Fotografismo I (2007)

O trabalho Fotografismo nasceu da vontade de investigar minha relação de estranhamento com meu corpo e da necessidade em viver procedimentos expressivos que me levassem até as camadas mais viscerais e intensivas que me atravessavam. A motivação era provocar experiências que pudessem criar um entorno e um contorno para o nascimento do que ainda estava nas camadas mais encobertas da minha existência.

Comecei a colecionar imagens que mostravam desenhos no corpo humano e desenhos de elementos que existiam em seu entorno: linhas das mãos, veias e artérias, rugas, estrias, cicatrizes, íris dos olhos, asfalto se quebrando, terra seca se abrindo, afluentes de rios, avenidas, ruas, raízes e galhos de árvores, e esqueletos de sementes.

Da minha relação com essas imagens, surgiram desenhos e impressões em papéis e tecidos e o programa experimental Oralidade nômade*. Eram um rito de passagem em que as linhas da trama psíquica se conectavam por meio da expressividade corpórea, liberando minhas camadas mais encobertas e estagnadas de seu confinamento.

*Esse programa foi realizado com a ceramista e historiadora Rosely Cunha, em 2007.

Dimensão: 24 x 33 cm

Técnica: nanquim sobre corpo carimbado em papel algodão.

8.1 Carimbo 1/12

8.2 Carimbo 2/12

8.3 Carimbo 3/12

8.4 Carimbo 4/12

8.5 Carimbo 5/12

8.6 Carimbo 6/12

8.7 Carimbo 7/12

8.8 Carimbo 8/12

8.9 Carimbo 9/12

8.10 Carimbo 10/12

8.11 Carimbo 11/12

8.12 Carimbo 12/12